Por Gustavo Chagas

Cercado por dois gigantes de 210 e 45 milhões de habitantes, o Uruguai está acostumado com a coadjuvância. Não foi diferente no domingo, 27 de outubro. Enquanto os argentinos iam às urnas para eleger o peronista Alberto Fernández contra Mauricio Macri, atraindo as atenções do continente, os orientales também realizavam eleições presidenciais. A discrição do Uruguai e de sua população de 3,5 milhões de pessoas contrasta com a agitação vivida pela América do Sul neste ano de 2019. Até o Chile entrou em erupção, depois de Paraguai, Equador e Bolívia – sem contar os instáveis Brasil e Venezuela, além da economicamente dramática Argentina.

Os uruguaios vivem um momento de relativa tranquilidade econômica, social e política. O PIB cresce há 16 anos, contrariando o comportamento de seus vizinhos. Em 2004, por exemplo, o principal problema que as pessoas apontavam no país era o desemprego. Enquanto quase a metade da população tinha essa preocupação naquela época, hoje apenas 14% elege a falta de trabalho como um problema no Uruguai.

.

O recorte temporal de uma década e meia não é por acaso

.

Foi em 2005 que a Frente Ampla, coalizão de partidos de esquerda, assumiu o poder em um país marcado pela dualidade entre blancos e colorados. O partido de Tabaré Vázquez e José “Pepe” Mujica quebrou uma sequência de mais de 150 anos de alternância entre dois perfis de direita, uma conservadora e rural e outra liberal e urbana, cujas práticas mais as aproximam do que as separam. A experiência bem sucedida da esquerda no poder começou mais cedo, com o próprio Vázquez assumindo a prefeitura da capital, Montevidéu, em 1990 (desde então, a FA nunca deixou o comando da cidade). Se construiu uma era de respeito às instituições, de avanços no campo dos direitos humanos e de desenvolvimento num continente onde direita e esquerda deixam a desejar em alguns (ou todos) os quesitos.

Coube justamente ao último intendente de Montevidéu defender o bom legado frenteamplista. O engenheiro Daniel Martínez foi escolhido para representar a bandeira de esquerda em eleições sem precedentes na história uruguaia.

A renovação de quadros foi interessante. O senador Lacalle Pou (filho do ex-presidente Lacalle) teve que enfrentar o magnata Juan Sartori nas primárias do Partido Nacional (blanco). Nascido no Uruguai, mas radicado na Europa, Sartori voltou ao país se dizendo o outsider capaz de revolucionar a política local, mesmo com os suspeitos auxílios da família russa de sua esposa, cujo pai é dono do clube de futebol Monaco, e do estrategista miamense-venezuelano JJ Rendón, especialista em fake news. No Partido Colorado, o Chicago boy Ernesto Talvi desbancou o octogenário ex-presidente Julio María Sanguinetti nas prévias. A grande surpresa, no entanto, foi a candidatura do ex-comandante do Exército Guido Manini Ríos. Preso por reclamar da previdência dos militares e depois demitido por criticar o Judiciário pela condenação de criminosos da ditadura militar, o general entrou na política como um crítico da esquerda (não confundi-lo com Bolsonaro, Manini Rios está mais para Mourão).

Postulantes em campo e eleitores nas urnas, a eleição de domingo não foi uma surpresa. As pesquisas acertaram a liderança de Martínez, que fechou com 39% dos votos. Lacalle Pou, com seus 28%, vai ao segundo turno. O candidato de direita já recebeu o apoio dos derrotados Talvi e Manini Ríos, que marcaram 12% e 11% respectivamente.

.
Um simples (e simplório) exercício matemático nos permite supor que, com a soma dos votos opositores à Frente Ampla, Lacalle Pou será o novo presidente do Uruguai. Alguns fatores podem ser determinantes nos debates decisivos até o segundo turno
.

A segurança (ou falta de) foi o ponto de maior fragilidade no último ciclo da FA no governo. Os números de homicídios aumentaram em 35% no ano passado e política flexível sobre a maconha ainda divide o país. No entanto, a reforma constitucional proposta pela oposição que criava uma força policial militar no país e que previa até a prisão perpétua para alguns crimes foi rejeitada pela população.

A ver também o papel de lideranças importantes, como Mujica, que voltou à política e foi eleito senador, e Vázquez, que enfrenta um câncer de pulmão. Outro ponto interessante é o fator Bolsonaro. O presidente brasileiro declarou preferência a Lacalle Pou. Será mais uma bola fora do Mick Jagger? O próprio Lacalle rejeitou o apoio, dizendo não ser correto que um líder estrangeiro influencie a eleição de outro país. Além de ter noção dos limites institucionais, o candidato tem noção do que pode sofrer com o toque do Midas al revés. Manini Ríos, o militar, também criticou Bolsonaro pela intromissão.

Com o governo da Frente Ampla em xeque, estamos diante do fim de uma era de esquerda no Uruguai? No dia 24 de novembro, finalmente, os discretos vizinhos do Prata serão protagonistas na América do Sul.

Foto: Divulgação

Colaborador Vós
Author

Contamos com a COLABORAÇÃO ATIVA dos nossos leitores, que podem nos enviar seus textos de acordo com as nossas orientações. Os autores voluntários são muito importantes para que todas as vozes sejam ouvidas. Sem a participação da comunidade, não teremos a humanidade de volta.

Comentários no Facebook