O segundo turno das eleições municipais no Brasil tirou do armário de vez um monstro bem conhecido dos conservadores brasileiros: o fantasma do comunismo. Este monstro já foi usado como justificativa para o golpe militar de 1964, por exemplo. E voltou com tudo nos últimos anos, ganhando força na campanha presidencial de 2018. Surgiram, então, argumentos pouco lógicos, como o fato de as gestões petistas terem sido uma “ditadura comunista” no Brasil.

AMEAÇAS CÍCLICAS

Em entrevista à coluna Voos Literários, o historiador João de Los Santos comenta que o medo do comunismo como artifício político vem desde a época de Getúlio Vargas. “O golpe do Estado Novo foi dado a partir de uma suposta ameaça comunista. Podemos dizer que a cada 30, 40 anos existe o comunismo sendo usado como ameaça.”

ELEIÇÕES 2020

Em duas capitais brasileiras, o fantasma de roupa vermelha com o símbolo da foice e martelo aparece com mais constância durante a campanha eleitoral. Em São Paulo, Guilherme Boulos, do PSOL (Partido Socialismo e Solidariedade), volta e meia é taxado de comunista e há boatos de que imóveis residenciais serão invadidos, caso ele vença o pleito. Em Porto Alegre, a situação é ainda pior. A candidata Manuela D’Ávila, por ser PC do B (Partido Comunista do Brasil), é constantemente alvo de fake news. Entre as mais bizarras, estão a de que fechará igrejas e liberará o uso de drogas ilícitas se for eleita prefeita da capital gaúcha.

STÁLIN EM DESTAQUE

E o tema comunismo chegou a fazer parte de um debate realizado na televisão nesta sexta-feira, dia 27, em Porto Alegre. O candidato Sebastião Melo (MDB) acusou Manuela de ser “stalinista” por integrar o PC do B. A partir desse ataque de Melo, me vieram à mente três questionamentos:

O que isso traz de produtivo para o cenário eleitoral de 2020?

Quantos telespectadores realmente sabem quem foi Josef Stalin e sua atuação política na União Soviética?

Quem realmente entende o que é comunismo e socialismo aplicados à realidade atual brasileira?

O SURGIMENTO DO SOCIALISMO

Para refletir sobre o assunto, é interessante voltarmos às raízes do socialismo. A grosso modo, os ideais socialistas surgiram como uma reação à Revolução Industrial, que trouxe baixos salários associados a jornadas de trabalho de 14 horas diárias, entre outros abusos. Ou seja, a intenção era lutar contra a miséria reinante entre a classe trabalhadora naquele período histórico.

PC do B

Fazendo um corte para o Brasil atual o site do PC do B enfatiza a trajetória do partido, fundado em 1922, sendo a legenda mais antiga em atividade no país.  No texto institucional, são destacadas bandeira históricas comunistas:

“criação dos direitos sociais e trabalhistas (como a jornada de trabalho de 8 horas diárias, o direito a férias, aposentadoria, 13º salário, saúde, educação e previdência pública etc). O PCdoB também tem sido um intransigente defensor do Brasil, da independência e soberania da nação.”

PSOL

Já o PSOL, em seu site oficial, ressalta que em seus 15 anos de existência, segue no combate sem tréguas em defesa dos direitos trabalhistas, previdenciários, do serviço público e contra a agenda conservadora que ameaça mulheres, negros/as, a comunidade LGBT, os direitos indígenas, entre outros.”

MOTIVOS OCULTOS

Após analisar as propostas defendidas pelo PC do B e PSOL, fico aqui me perguntando a razão destas  lutas serem consideradas ameaçadoras para determinados setores da sociedade. Provavelmente, por interesses econômicos de parte da população. Na outra parcela, menos favorecida financeiramente, a desinformação me parece ser o motivo por trás de tanto temor.

PRIMEIROS PASSOS

E contra a desinformação, nada melhor do que a leitura. A série Primeiros Passos é um marco no meio editorial e acadêmico no Brasil. A coleção foi criada pela Editora Brasiliense na década de 1970 e seus livros de bolso marcaram gerações. A sugestão de leitura para ajudar nessa conjuntura politica são os volumes O que é socialismo? e O que é comunismo?, os dois escritos pelo sociólogo Arnaldo Spindel. 

Não sei se quem tem medo do comunismo vai se dispor a ler algo a respeito do tema, mas acredito que a tentativa é válida. Vai que a pessoa perceba que é impossível  implementar uma ditadura comunista em apenas uma cidade?

MEDO SEM SENTIDO

O historiador João de Los Santos concorda que este aspecto é inédito no quesito medo do comunismo. “Pela primeira vez, é uma ameaça em nível municipal. O PT teve a oportunidade durante 14 anos de dar um golpe de Estado comunista no Brasil. Isso não aconteceu. Mas quem vai dar esse golpe é uma prefeita de uma cidade em um estado conservador como é o Rio Grande do Sul atualmente?”, analisa, demonstrando o absurdo desse temor.  

Procurando ser otimista, espero que, com o tempo, esse pessoal que morre de medo da ameaça comunista perceba que o capitalismo é o verdadeiro monstro a ser combatido. Sigamos na luta, cada um a seu modo. Bom voto amanhã!

Imagens: Internet/Reprodução

 

Flávia Cunha
Author

Flávia Cunha é jornalista há mais de 20 anos e mestre em Literatura Comparada pela UFRGS. Desde 2015, atua somente na área cultural, em projetos literários e musicais. Sua paixão pelas duas áreas virou oficialmente uma empresa em 2018. Para saber mais: www.flaviacunha.com.br

Comentários no Facebook