Questionadora, crítica e interessada por política. Assim é a pequena Mafalda, criação do genial cartunista argentino Quino. Certamente, ela pode ser considerada uma personagem com comportamento feminista, ao subverter o papel tipicamente atribuído ao sexo feminino. Um exemplo disso é o fato dela pouco se interessa por distrações tradicionalmente associadas a meninas, como brincar de boneca. Também não pensa em no futuro casar ou ser dona de casa.  Ela é o oposto de Susanita, a amiga da mesma idade que tem uma postura mais conservadora e fútil.

FEMINISMO NOS ANOS 1960/70

Se observarmos apenas a temática de questionamento do papel da mulher na sociedade, a criação de Quino já chama a atenção. O mérito é ainda maior por todas essas discussões terem começado em 1964, em tirinhas publicadas em jornais argentinos. Em 1966, um golpe de Estado deu início a uma ditadura militar na Argentina, que durou até 1973, mesmo ano em que Quino decide encerrar as publicações de histórias inéditas. Sendo assim, é bastante corajoso que o cartunista tenha abordado, por meio da menina feminista, temas como democracia, liberdade e desigualdade social em pleno período de ditadura. Talvez para abrandar eventuais censuras, o autor fazia uso do humor e trazia à tona outros assuntos, como o amor de parte dos personagens pelos Beatles e o ódio mortal de Mafalda por sopa.


MAFALDA E OS DIREITOS HUMANOS

Mesmo sendo raros os materiais inéditos da personagem após 1973, ela permanece um sucesso mundial, com as obras já tendo sido traduzidas para mais de 30 idiomas. Um raro exemplo de conteúdo produzido depois disso são desenhos que acompanharam uma campanha da ONU de divulgação da Declaração Universal dos Direitos da Criança, em 1976. O material é bastante difícil de ser encontrado na íntegra e localizei apenas algumas imagens esparsas em pesquisas na Internet., como essa.

NOVO LIVRO COM ABORDAGEM FEMINISTA

Ao longo dos anos, diversas coletâneas foram lançadas, inclusive no Brasil, onde os livros da personagem foram publicados pela primeira vez em 1982. Em breve, será lançada por aqui uma obra contendo somente tirinhas com conteúdo feminista. Em espanhol, a publicação dessa obra ocorreu no ano passado. O livro Mafalda: Feminino Singular, será lançado em dezembro de 2020, pela editora Martins e Fontes. Sem dúvida, uma boa notícia para os fãs de Quino e de sua criação mais famosa.

Esse texto é uma singela homenagem ao cartunista Quino, falecido nessa semana. Em 2017, a coluna Voos Literários também mencionou outros aspectos a respeito da personagem Mafalda.

Imagem: Contracapa livro Mafalda: Femenino Singular/Editora Lúmen

Flávia Cunha
Author

Flávia Cunha é jornalista há mais de 20 anos e mestre em Literatura Comparada pela UFRGS. Desde 2015, atua somente na área cultural, em projetos literários e musicais. Sua paixão pelas duas áreas virou oficialmente uma empresa em 2018. Para saber mais: www.flaviacunha.com.br

Comentários no Facebook