Descobri, recentemente, a existência de uma campanha mundial sobre saúde mental chamada Janeiro Branco. A inspiração para o nome seria o fato de o primeiro mês do ano ser como uma página em branco.  Neste sentido, os primeiros 31 dias do novo ciclo seriam um momento para criar metas e refletir a respeito de mudanças. Em anos anteriores, realmente janeiro parecia ser este período de pausa, pois tudo funcionava mais lentamente.

Mas não em 2021.

Em meio à uma pandemia conduzida por um governo irresponsável, o brasileiro consciente não teve descanso em pleno janeiro, não importa se branco ou da cor que for. A realidade nos atropela. Falta de oxigênio em hospitais, denúncia de superfaturamento (ou descaso com a fome da população) no episódio do leite condensado (e chicletes, não esqueçamos). O presidente? Ele prefere dar risada e mandar a imprensa enfiar as latas de leite condensado “naquele lugar”, mostrando, mais uma vez, que nada entende da liturgia do cargo que ocupa.

Negação ou irresponsabilidade?

Há quem prefira, em meio à atual conjuntura, seguir a vida normalmente, em festas clandestinas e praias superlotadas. A alegação é que se a pandemia não for colocada em segundo plano, ficaremos tristes. Mas será mesmo que viver em negação é a saída para o equilíbrio emocional, enquanto ultrapassamos a marca de 220 mil mortes oficiais pela covid 19 em território brasileiro? 

O desafio de manter a sanidade mental

Sem dúvida, além da epidemia provocada pelo coronavírus, estamos vivendo uma epidemia de ansiedade e depressão. Já falei sobre esse assunto por aqui mais de uma vez. Retorno agora com a perspectiva do novo ano, que mal começou e já nos apresenta um cenário desolador. É notória a necessidade de ainda manter, a longo prazo, protocolos com os quais já não aguentamos mais lidar, como máscaras, álcool gel e distanciamento, enquanto a vacinação não for aplicada em massa no Brasil.

Diante deste panorama, ainda é necessário manter a saúde mental em ordem para garantir a sobrevivência. Pois no Brasil da desigualdade, quem não ficou desempregado precisa ter resiliência para seguir trabalhando. Afinal, os boletos não param de chegar e as cobranças profissionais, também não. 

Diante de tamanhos descalabros impostos pelo Brasil pandêmico bolsonarista, o grande desafio é ficarmos equilibrados em 2021.

Uma sugestão para alcançar este objetivo é não se cobrar tanto. É ter A coragem de ser imperfeito, título do livro de Brené Brown. A pesquisadora entrevistou milhares de mulheres e homens para entender o funcionamento de mecanismos como vergonha e vulnerabilidade, pelo ponto de vista profissional, amoroso e familiar.

Não fingir ser perfeito é libertador

Na prática, é melhor ser imperfeito e reconhecer, em uma situação profissional, que não sabe determinada questão do que mentir. Ou, em caso de um erro, é melhor ficar vulnerável e pedir desculpas do que seguir fingindo que está certo, conforme destaca a pesquisadora:

Imagine o estresse e a ansiedade de não saber o que se está fazendo, mas tentar convencer um cliente de que sabe, de não ser capaz de pedir ajuda e de não ter ninguém com quem conversar sobre o seu problema. É assim que perdemos funcionários. É muito difícil continuar motivado nessas circunstâncias. A pessoa começa a poupar esforços, a não se importar mais, e acaba jogando a toalha. Depois da minha palestra, um dos mentores do grupo se aproximou de mim e disse: ‘Trabalhei com vendas durante minha carreira toda e posso lhe garantir que não há nada mais importante do que ter a coragem de dizer ‘Eu não sei’ e ‘Errei’. Ser honesto e transparente é a chave do sucesso em todas as áreas da vida.’”

Aparentemente, na política brasileira, honestidade e transparência não são características usuais. Mas certamente temos no poder um presidente que será lembrado, no futuro, pela má educação e dificuldade em reconhecer erros. A empáfia e falta de noção de fazer um discurso com palavrões está longe de ser uma demonstração de força. Forte mesmo é aquele que reconhece equívocos. Porém, para isso, é preciso haver autocrítica e vontade de evoluir. Coisas que Bolsonaro e seu clã parecem não ter nem um pouco.

Para conhecer mais sobre as pesquisas de Brené Brown:

Para saber mais sobre o Janeiro Branco, que está em sua oitava edição, clique aqui.

Imagem: World-fly / Pixabay 

Flávia Cunha
Author

Flávia Cunha é jornalista há mais de 20 anos e mestre em Literatura Comparada pela UFRGS. Desde 2015, atua somente na área cultural, em projetos literários e musicais. Sua paixão pelas duas áreas virou oficialmente uma empresa em 2018. Para saber mais: www.flaviacunha.com.br

Comentários no Facebook