Inspirada pelas oitavas de final da Copa do Mundo, proponho uma espécie de super trunfo de livros dos países classificados. Essa fase da competição está chegando ao fim, mas a gente segue por aqui. Para a escolha das obras, criei o seguinte critério: escritores contemporâneos e ainda em atividade. Na primeira batalha de hoje, temos o que o público do futebol gosta de chamar de clássico do IDH.

Representante da Suécia . Camilla  Läckberg, 43 anos

Minibiografia . Licenciada em Economia, atuou na área até resolver fazer um curso de escrita criativa e lançar romances policiais. Foi muito bem-sucedida em sua mudança de carreira e foi considerada a escritora sueca do ano em 2004 e 2005. Seus livros foram traduzidos para 35 idiomas e vendidos em 50 países.

Livro .  A Princesa de Gelo, de 2003, lançado no Brasil em 2010

Motivo da escolha . Romances policiais fazem um sucesso enorme nos países nórdicos europeus, mesmo com índices de criminalidade baixíssimos. Para quem gosta do gênero, a obra vale a pena. O enredo mostra a escritora Erica Falck que retorna à sua cidade natal e acaba envolvendo-se na investigação da morte de uma amiga de infância, um suposto suicídio.

Bônus . A escritora é conhecida como a Rainha Europeia do Crime, sendo considerada a nova Agatha Christie. O livro A Princesa de Gelo foi adaptado para a televisão sueca. A obra integra uma série de diversos em que a escritora é a protagonista.

.

Representante da Suíça . Joël Dicker, 33 anos

Minibiografia . Formado em Direito pela Universidade de Genebra, o escritor lançou seu primeiro livro aos 25 anos. Logo alcançou a fama mundial, chegando a ultrapassar nomes como Dan Brown na lista dos mais vendidos. O autor escreve em francês e, por isso, já recebeu alguns prêmios representativos da área nesse país europeu.

Livro . A verdade sobre o caso Harry Quebert, de 2012

Motivo da escolha . O livro é um fenômeno editorial e seu enredo chegou a ser comparado a obras de Truman Capote. O livro é um romance policial e uma história de amor, também misturando ao texto relatórios policiais e trechos de entrevistas. A obra é considerada uma grande crítica aos Estados Unidos.

Bônus . O autor esteve na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), em 2014. Aqui no Brasil, A verdade sobre o caso Harry Quebert recebeu algumas críticas negativas, como uma publicada na revista Veja. Toda a unanimidade é burra, como diria Nelson Rodrigues. Então, o mais adequado é ler as mais de 500 páginas desse romance e, depois disso, termos nosso próprio veredito.

Flávia Cunha
Author

Flávia Cunha é jornalista há mais de 20 anos e mestre em Literatura Comparada pela UFRGS. Desde 2015, atua somente na área cultural, em projetos literários e musicais. Sua paixão pelas duas áreas virou oficialmente uma empresa em 2018. Para saber mais: www.flaviacunha.com.br

Comentários no Facebook