Angela Davis, filósofa, escritora e ativista do feminismo negro, participará de eventos culturais em São Paulo e no Rio de Janeiro em outubro. Uma das atividades é a conferência de encerramento do seminário internacional “Democracia em Colapso?”.  A fala de Angela Davis no evento deve ser inspirada no livro A Liberdade é Uma Luta Constante, lançado por aqui pela editora Boitempo, em 2018.

O livro é uma compilação de entrevistas, artigos e discursos da intelectual que defende a liberdade das populações pobres frente a um Estado cada vez mais opressor. Uma das questões abordadas na obra é a violência policial contra negros, presente em países como Estados Unidos (e Brasil).  Uma das ponderações mais interessantes da escritora é que o racismo institucional na polícia é tão grande que pode existir mesmo em países em que a função policial é exercida por negros:

Bem, o que é muito interessante na África do Sul é o fato de que várias das posições de liderança de que as pessoas negras foram excluídas durante o apartheid são agora ocupadas por pessoas negras, inclusive no âmbito da hierarquia policial. Vi recentemente um filme sobre os mineiros de Marikana, que foram atacados, feridos e muitos deles mortos pela polícia. Os mineiros eram negros, os agentes policiais eram negros, a chefe de polícia da província era uma mulher negra. A chefe da força policial nacional é uma mulher negra. […] O racismo é tão perigoso porque não depende necessariamente de atores individuais, ao contrário, está profundamente enraizado no aparato.”   

Espera-se que a presença de uma figura tão representativa da luta pelos direitos civis nos Estados Unidos sirva de inspiração e alerta para o quanto a violência está presente em território brasileiro. O que Angela Davis dirá se souber do hediondo caso de chicoteamento dentro de um supermercado, promovido por seguranças a um adolescente negro?

A liberdade precisa mesmo ser uma luta constante!

Foto: Divulgação/Boitempo

Flávia Cunha
Author

Flávia Cunha é jornalista há mais de 20 anos e mestre em Literatura Comparada pela UFRGS. Desde 2015, atua somente na área cultural, em projetos literários e musicais. Sua paixão pelas duas áreas virou oficialmente uma empresa em 2018. Para saber mais: www.flaviacunha.com.br

Comentários no Facebook