Porto Alegre vai receber neste final de semana um encontro de ativistas transexuais de toda a Região Sul do país. Trata-se do III Workshop Sul da Rede Trans Brasil. O evento ocorre de 27 a 30 de outubro, no Hotel Embaixador.

A iniciativa é organizada pela Rede Trans Brasil e pela Igualdade-RS. Ao longo de quatro dias, as ativistas e os ativistas irão debater uma série de questões que envolvem a comunidade T.

O tema central do encontro é: “Educação e trabalho oportunizam para a inclusão social”. Uma consigna que faz todo o sentido para uma população totalmente marginalizada, que não encontra alternativas a não ser a prostituição ou subempregos totalmente precários.

A evasão escolar é um problema dramático para a população de travestis e transexuais, que são obrigados/as a abandonar os estudos por conta do preconceito e da discriminação. Isso quando não são expulsas/os de suas casas pela intolerância da própria família – algo comum em todos os lugares, especialmente no interior.

Pensar em políticas públicas que garantam a permanência de travestis e transexuais nas escolas é um desafio que requer um olhar específico do poder público a este problema. A evasão escolar não é um fenômeno homogêneo e a população T é um dos grupos mais vulneráveis neste processo.

A capacitação e iniciativas que facilitem o acesso a empregos formais também é um passo fundamental a ser dado pelo poder público. Uma iniciativa interessante é a oferta de isenção de impostos a empresas que contratem um determinado número de funcionárias/os travestis e transexuais. É lamentável que tenha que haver uma política de desoneração para que as empresas passem a olhar para essa população, mas é um passo necessário em direção à conquista do direito ao trabalho.

Nos quatro dias de encontro, as/os ativistas da Rede Trans Brasil organizarão debates com autoridades públicas, pesquisadores e militantes de movimentos sociais. Além do trabalho e da educação, estão na programação temas como saúde da população trans, iniciativas de mapeamento e produção de dados que orientem políticas públicas, a relação com a mídia e a luta por uma retificação de nome civil e de gênero que despatologize as identidades trans.

Uma das lideranças da organização do evento é Marcelly Malta, figura histórica do movimento LGBT gaúcho e uma articuladora nacional da luta das pessoas trans. Vice-presidenta da Rede Trans Brasil e presidenta da Igualdade-RS, Marcelly batalhou bravamente – e foi vitoriosa – pela criação de uma ala para travestis e seus maridos dentro do Presídio Central de Porto Alegre. Um projeto fundamental para que essa população tenha um mínimo de dignidade e proteção dentro de um ambiente onde absolutamente todos os direitos são negados.

O Brasil é o país que mais mata LGBTs no mundo. A população trans é a mais vulnerável e vitimada. A auto-organização de travestis e transexuais e a articulação com o restante do movimento, com gestores públicos e o conjunto das entidades da sociedade civil é fundamental para que essa triste realidade se modifique. Viva a luta das pessoas trans!

O encontro da Rede Trans Brasil é aberto e gratuito e ocorre no Hotel Embaixador (Rua Jerônimo Coelho, 354, no Centro de Porto Alegre). Confira abaixo a programação completa:

SEXTA-FEIRA – 27/10

14h: Credenciamento
16h: Coffe Break
19h: Mesa de abertura
19h45: Fala da presidenta da Rede Trans Brasil, Tathiane Araújo.
20h30: Apresentações artísticas

SÁBADO – 28/10

9h: Diagnóstico das violações de direitos humanos, busca de ações governamentais da gestão de Estados e políticas de segurança pública
– Jorge Martins Moreira: Doutorando em Direito Constitucional/UBA (Igualdade/RS)
– Adriana Souza: Coordenadora da Diversidade Sexual do RS
– Patrícia Couto: Ouvidora da Defensoria Pública do RS.
– Guilherme Gomes Ferreira: Mestre em Serviço Social
– Gustavo Passos: Mestre e Doutorando em Educação pela UFRGS e coordenador de programas de prevenção à violência da Fundação La Salle / SMSPC de Canoas.
– Mediação: Cutuxa Borges – Transgrupo Marcela Prado

10h30: Perfil socioeconômico da população trans no Brasil – A importância da produção de dados para a construção de políticas públicas legislativas e judiciárias.
– Guilherme Gomes Ferreira: Mestre em Serviço Social
– Gustavo Passos: Mestre e Doutorando em Educação pela UFRGS e coordenador de programas de prevenção à violência da Fundação La Salle / SMSPC de Canoas.
– José Stona – UFRGS
– Mediação: Liza Minelli – Grupo Esperança

14h: Novas tecnologias de prevenção e estratégias de apropriação destes mecanismos para pessoas trans (PrEP-PeP e a importância do diagnóstico precoce)
– Representante da Coordenação Estadual de IST Aids do RS
– Representante da Coordenação Municipal de IST Aids de Porto Alegre
– Alicia Krüger: Assessora técnica do Departamento Nacional de IST Aids e Hepatites Virais
– Marcos Benedetti: Mestre em Antropologia Social
– Mediação: Luana de Jesus – Secretária da Rede Trans Brasil na Região Sul

16h: Mídia e a estigmatização das pessoas trans na sociedade
– Gabriel Galli: Jornalista e coordenador-geral do Grupo SOMOS
– Gian Carlos Lorenzeti Panisson: Estudante de comunicação social da ESPM Sul
– Alice Ferreira: Mulher travesti e radialista
– Caio Ramos: Publicitário e ilustrador, formado em Filosofia e Comunicação Social pela UFRGS
– Mediação: Cristiany Beatriz – Fórum Transexuais de Goiás.

DOMINGO – 29/10

9h: Política de saúde pública com foco na prevenção às IST/Aids e HIV para a população de homens trans
– Cauã Cintra: Coordenador do Núcleo de Homens Trans da Rede Trans Brasil
– Vicent Pereira Goulart: Grupo SOMOS
– Ale Mujica: Grupo Estrela Guia
– Mediação: Murilo Christofer Alves

14h: Processo transexualizador e as reais necessidades para a garantia de tratamentos que contemplem as necessidades de pessoas trans
– Cristiany Beatriz: Fórum Transexuais de Goiás
– Etory Luiz: Núcleo de Homens Trans da Rede Trans Brasil
– Ângelo Brandelli Costa: Conselho Regional de Psicologia do RS, PUCRS e PROTIG
– Mediação: Sophia  – Igualdade RS

16h: Retificação de nome civil: A (des)patologização de gênero em debate
– Jorge Martins Moreira: Doutorando em Direito Constitucional/UBA – Igualdade RS
– Luisa Stern: Advogada – Igualdade RS
– Gustavo Bernardes
– Gabriela Baptista Silva: Psicóloga Clínica e Mestre em Psicologia Social
– Mediação: Sophia – Igualdade RS

SEGUNDA-FEIRA – 30/10

9h: Propostas e moções

Samir Oliveira
Author

Acabei me descobrindo jornalista enquanto observava o mundo de fora e militante LGBT enquanto experimentava a vida de dentro.

Comentários no Facebook