*Artigo publicado originalmente no site Coletiva.net

Eu estava apenas curtindo a água fria da piscina em um dia de verão na Califórnia. Na época, vivia nos Estados Unidos para aperfeiçoar a minha pesquisa de doutorado e resolvi nadar para descansar um pouco, oxigenar as ideias. Era um centro de lazer comunitário, ou seja, eu não estava sozinha. Havia também um senhor idoso, pesado, nadando com dificuldade ao som de música clássica.

.

Eu estava apenas curtindo a água. Até que ele resolveu interagir

.

Entre perguntar o meu nome e discorrer sobre o Brasil, era inevitável que indagasse sobre qual era minha profissão. Respondi que era jornalista com o orgulho do ofício que me é peculiar e ele fez uma cara horrível. “Não sabia que vocês ainda existiam”, disse em tom de deboche.

.

Desabei. Eu queria apenas curtir a água

.

Na primeira menção às famigeradas “fake news”, tive a impressão de ver um holograma de Trump sobrevoando a cabeça calva do homem cujo nome eu, estranhamente, esqueci. “TODAS as notícias são falsas, todas”, disse ele, que ocupou os minutos seguintes com um discurso sobre como a mídia é manipuladora, como há jornalistas desonestos, como a qualidade do jornalismo caiu.

.

Eu digeri tudo em silêncio parcial, falando eventualmente para tentar salvar a pouca dignidade que ele concedia a mim e aos meus colegas. Em vão. Ele não estava interessado. 

E eu queria apenas curtir a água

.

Eu fui embora, mas as palavras inflamadas ficaram comigo. Eu não conseguia deixar de pensar na porção de razão que aquele homem tinha. Teorias da conspiração à parte, já não posso negar que o jornalismo tem falhado. E a sociedade sabe disso. Somos cobaias em um momento extraordinário da história, um período definido por intensa polarização política e social e pelo impacto sem precedentes de novas tecnologias. O debate na esfera pública mudou dramaticamente nos últimos anos e as empresas de jornalismo tentam, ao máximo, se adaptar a isso. Mas será suficiente? Basta tentar? Basta a adaptação? Acredito que não. As circunstancias em que apuramos, produzimos e reportamos uma informação mudaram o suficiente para forçar a revisão do que estamos fazendo e por que.

O modelo comercial adotado pelas grandes empresas está em decadência. É cada vez menos eficaz o formato em que se vendem anúncios estáticos para financiar o trabalho jornalístico. O novo padrão, que surge com os anúncios no Facebook, Twitter e Instagram, também está entrando em colapso. Ao contrário da cada vez mais procurada permuta com o digital influencer. Como resultado, a produção digital está cada vez mais vazia. A caça aos cliques completa a crise, com a necessidade de um fluxo de publicação frenético. A demanda por muita informação gerou, ironicamente, o esvaziamento das noticias.

.
O jornalismo foi substituído por “conteúdo”

.

Os leitores estão sobrecarregados pela quantidade de informação despejada todos os dias por diversos canais, portais e redes sociais; estão incomodados com posts patrocinados enfiados goela abaixo; estão confusos com o que é verdade e o que é mentira. Por isso, mais do que nunca, é fundamental redefinir a missão e viabilidade do jornalismo, qual o propósito do trabalho e que papel exercemos em uma sociedade que não considera nosso ofício importante. Precisamos reaproximar o público, recuperar a confiança das pessoas. Precisamos contar histórias com cuidado, precisamos dedicar tempo à apuração.

Precisamos checar os fatos, precisamos de compromisso com a informação, precisamos reforçar o comprometimento com a realidade. 

Há um ano, meu sócio, Emerson Zapata, e eu criamos o Vós, justamente para tentar restabelecer esse diálogo. O caminho ainda é muito longo, mas estamos satisfeitos com o primeiro passo e prontos para ampliar essa conversa. É tempo de o jornalismo se posicionar, e nós temos lado. Não é um posicionamento a priori, mas uma atitude progressista construída em consonância com a realidade social da qual fazemos parte. Assim, optamos pela transparência, conceito que se tornou turvo pela suposta neutralidade oferecida por grandes conglomerados.

Em tempos em que as notícias falsas invadem as telas, jornalismo é resistência por essência, e o Vós quer fazer parte da reconstrução do propósito do jornalismo na sociedade. Não quero mais só curtir a água.

Geórgia Santos
Author

Jornalista, radialista, cientista política e uma viajante inveterada. Tem uma relação de amor com a comida. Gringa, não recusa um vinho e uma polenta. Fez da viagem um objetivo de vida. Lisboa é um dos seus lugares preferidos no mundo, embora as melhores histórias estejam na Itália.

Comentários no Facebook