Por Maikio Guimarães*

Porto Alegre, 14 de maio de 1987. Júlio César de Melo Pinto foi executado por policiais militares, dentro de uma viatura, após ter sido confundido com o assaltante de um supermercado. Porto Alegre, 19 de novembro de 2020. João Alberto Silveira Freitas foi espancado até a morte na porta do supermercado Carrefour. Um intervalo de 33 anos separa os episódios. Em comum nas histórias, as mortes violentas de dois homens negros. Este parágrafo de abertura é apenas para lembrar que não passa de ilusão a ideia de que o racismo tem diminuído na sociedade brasileira.

Cena do documentário ‘O Caso do Homem Errado’, sobre a morte de Júlio César em 1987 – Divulgação

Racismo é uma forma sistemática de discriminação que tem a raça como fundamento. Na base de grande parte dos problemas enfrentados pelos negros no Brasil, está o racismo estrutural, que integra a organização econômica e política da sociedade. Como destaca Silvio Almeida, as pessoas e as instituições possuem condutas racistas porque a sociedade é racista.

Nos últimos 132 anos, a narrativa racista foi permanentemente atualizada no Brasil. Pensando nisto, a partir deste ponto, serão apresentados alguns argumentos racistas em destaque hoje. Tente lembrar quantas vezes você já deparou com estas ideias.

 .

Argumento racista número 1 . O Brasil é uma democracia racial

A partir da década de 1930, as elites passaram a defender que existia uma convivência pacífica entre as raças em terras brasileiras. A miscigenação, neste cenário, passou a ser apontada como um item básico da identidade nacional. De fato, nunca existiu convivência pacífica entre raças no Brasil. O que perdura é um sistema de opressão que nega direitos aos negros. O conceito de democracia racial tem sido refutado por pessoas negras (dentro e fora do ambiente acadêmico) desde sempre. A ideia, no entanto, não foi definitivamente sepultada. Cada vez que um caso de racismo gera comoção, alguma autoridade branca resgata a mofada tese da democracia racial.

.

Argumento racista número 2 . O Brasil não é um país racista

A pessoa que afirma não existir racismo no Brasil tem como propósito silenciar qualquer manifestação negra em defesa de direitos. Em um cenário onde todas as estatísticas comprovam categoricamente as desvantagens dos negros nas mais diversas áreas, não faz sentido a defesa de um argumento distante da verdade.

.

Argumento racista número 3 . Querem dividir a sociedade com esta história de racismo

É uma manifestação perfeita para um esquete de humor. Quem faz tal afirmação costuma defender a fantasiosa ideia de uma democracia racial. Acredita que os negros vão liquidar a unidade social ao falarem sobre racismo. Não quero estragar o prazer de ninguém, mas informo que a sociedade brasileira nunca esteve unida. O leitor ou leitora não precisa acreditar em mim. Pesquise nos 520 anos de História do Brasil. Procure resquícios da encantada unidade da sociedade brasileira. Não vai achar nada. Quando se observa o histórico da convivência entre brancos e negros, fica evidente a existência de uma relação prejudicial aos negros. Defender que as pessoas querem “dividir a sociedade” ao tratar de racismo não passa de um argumento rasteiro de quem deseja ignorar a realidade e manter privilégios.

.

Argumento racista número 4 . Racismo reverso

Do fim da escravidão aos dias de hoje, tem sido possível observar uma indiferença em relação às precárias condições de vida da população negra. Esta letargia se transforma em oposição ativa quando a demanda negra por mudança se torna forte. Basta observarmos a História do Brasil nos últimos 20 anos. Quando ganhou força o debate sobre a adoção do sistema de cotas nas universidades federais, velhos argumentos foram reciclados. Alegaram que não existia racismo no país. Defenderam que tal medida iria dividir a sociedade brasileira. Teve quem afirmou que pessoas brancas teriam suas vagas roubadas pelos negros. Todas estas alegações tinham como base a preocupação de um grupo focado em não perder privilégios. As universidades federais foram criadas para formar os filhos da elite brasileira. Estas instituições se mantiveram assim até o início do século 21. Quando os negros reivindicaram uma fatia do bolo, o grupo que detinha praticamente o monopólio do acesso ao ensino superior se sentiu ultrajado.

Argumentos semelhantes foram resgatados quando a rede de lojas Magazine Luiza informou que iria contratar trainees negros. Diversas pessoas utilizaram as redes sociais para manifestar repúdio. Em diversos comentários, “cidadãos de bem” apresentaram os brancos como vítimas de racismo reverso. Em uma situação pontual, uma pessoa branca pode ouvir uma manifestação preconceituosa. No entanto, brancos não são sistematicamente discriminados por causa da cor da pele. E outra. Os negros estão sub-representados na política, na direção de empresas e em quaisquer meios de dominação. Não seria sequer viável criar uma estruturar para subjugar os brancos.

.

Argumento racista número 5 . O politicamente correto é uma chatice

Vale refletir o que faz uma pessoa reclamar do politicamente correto. Por muito tempo, a sociedade brasileira viu com naturalidade a circulação de manifestações de desprezo por minorias raciais na forma de humor. O chamado racismo recreativo. Ao longo do século 20, as pessoas negras foram rotuladas como burras, feias, bêbadas, fracassadas e sexualmente inadequadas.

Hoje, existe uma reação rápida a qualquer manifestação que procure desmerecer os negros. A internet potencializa mobilizações e manifestações de repúdio. A resposta negra frustra quem gosta de fazer piadas preconceituosas. Quem estava acostumado a rir dos negros é que considera o politicamente correto uma chatice.

“Nossos motivos pra lutar ainda são os mesmos. O preconceito e o desprezo ainda são iguais. Nós somos negros, também temos nossos ideais. Racistas otários, nos deixem em paz.” Este é um trecho da música “Racistas otários”, dos Racionais MC’s. Uma canção de muito sucesso na década de 1990. Como quase nada muda no Brasil, a mensagem segue atual.

*Maikio Guimarães, jornalista e professor universitário

 

.

Imagem: montagem com reprodução do vídeo que mostra o momento em que Mateus Abreu Almeida Prado Couto, 31, disfere ataques racistas ao motoboy Matheus Pires

Author

Contamos com a COLABORAÇÃO ATIVA dos nossos leitores, que podem nos enviar seus textos de acordo com as nossas orientações. Os autores voluntários são muito importantes para que todas as vozes sejam ouvidas. Sem a participação da comunidade, não teremos a humanidade de volta.

Comentários no Facebook