É bem possível que o dia 22 de janeiro de 2019 seja lembrado, futuramente, como uma das datas decisivas para o governo de Jair Bolsonaro. Seja pela capacidade de resistir a uma grave turbulência logo na largada do governo, seja pelos efeitos trágicos em um mandato que não chegou sequer ao primeiro mês.

Apostas são sempre muito difíceis de fazer na política, e se tornaram um exercício especialmente arriscado no volátil cenário brasileiro. Mas, se for inevitável fazer uma aposta, a minha seria na segunda opção. Foi uma série de más notícias em um período muito curto, e nenhuma delas parece dar o menor sinal de que possa se dissipar com o passar dos dias. Ao contrário: as nuvens parecem cada vez mais espessas, o horizonte profundamente inseguro e sombrio.

A participação de Bolsonaro no encontro de Davos pode não ter sido a tragédia cheia de gafes e frases escandalosas que muitos esperavam. Essa, considerando o histórico recente, é uma vitória em si mesma para o presidente. Mas essa pequena concessão não pode disfarçar de modo algum o visível fracasso de Bolsonaro em demonstrar uma visão segura ou, pelo menos, compreensível do próprio governo e do que ele tem a oferecer aos investidores internacionais.

Sim, o discurso foi curtíssimo – pouco mais de seis minutos, quando a janela para sua fala era de quarenta e cinco minutos, mais de sete vezes maior. Sim, o discurso foi uma maçaroca sem sentido, uma coleção de frases vazias e garantias sem consistência – sem contar o quase inexistente conteúdo econômico, o que nos faz pensar por onde andava o superministro Paulo Guedes durante a redação do fraquíssimo texto. Mas essas coisas, mesmo muito ruins, nem são o pior.

O que é realmente ruim – para o Brasil, acima de tudo – é a insistência em uma visão paupérrima de geopolítica, em que não avançamos um passo além da guerra fria e o Brasil escapou por um triz de virar uma Venezuela. Esse trololó pode colar (e cola, como bem vimos) no cenário local, mas toca todas as notas erradas quando repetido para investidores de alto calibre, que não têm absolutamente nenhuma preocupação com o fictício avanço do comunismo em escala global.

.

Para quem está querendo investir no Brasil, essa papo só denota despreparo e desconexão da realidade, justamente o contrário da impressão que Bolsonaro pretendia causar. É o discurso errado, mas, acima de tudo, é o discurso no lugar errado.

Some-se isso à incapacidade de oferecer qualquer tipo de proposta concreta e a fala presidencial na abertura de Davos vira algo muito próximo do desastre.

Além de ignorante, Bolsonaro conseguiu convencer os líderes políticos e detentores do capital financeiro de que é um bicho do mato. Outro caso de incompreensão de cenário: bancar o humilde que almoça no bandejão pode ser interessante em uma visita à Catedral da Sé, mas passa uma péssima imagem em um encontro global, feito para as pessoas conversarem, estabelecerem relações, montarem estratégias conjuntas. Cada refeição, cada pausa para o café, cada troca de palavras no credenciamento ou dentro do elevador faz enorme diferença – não só para a imagem que se quer mostrar ao mundo, mas também no que o mundo espera do líder de uma das economias emergentes do planeta.

Tão grave foi a falta de diálogo de Bolsonaro e sua equipe que a União Europeia agendou uma reunião com a delegação brasileira, tentando esclarecer o que o Brasil tem em mente, já que simplesmente não houve a menor demonstração de interesse em manter o acordo entre Europa e Mercosul.

.

Péssimo sinal para um país que, determinado a superar desconfianças, parece agir exclusivamente para ampliá-las.

E tudo isso é só o desastre internacional

.

Ao desembarcar no Brasil, Bolsonaro terá um cenário explosivo pela frente, com seu filho Flávio enredado em denúncias que não consegue explicar – problemas aos quais, neste desastroso 22 de janeiro, somou-se a inexplicável proximidade com milícias que podem ter envolvimento até na morte da vereadora carioca Marielle Franco. A situação do senador eleito é tão grave que merece um texto à parte, mas aqui nos interessa o efeito sobre o governo – e quem comprar a narrativa pobre de “o filho é uma coisa, o pai outra” só poderá fazê-lo por ingenuidade ou interesse. Ou já esqueceu-se que a esposa de Bolsonaro recebeu, em sua conta, dinheiro de Fabrício Queiroz (alguém que pode, muito concretamente, receber dinheiro de milícias) destinado expressamente ao marido?

A realidade é uma só: trata-se de um tremendo escândalo, nitroglicerina pura, um enrosco que pode engolir a família inteira e jogar a governabilidade do patriarca no abismo. As revelações se atropelam, e é difícil até imaginar que estratégia Jair Bolsonaro poderá adotar para tentar escapar da lama que ameaça soterrá-lo.

.

E aí surge a questão incontornável: será Bolsonaro capaz de avançar diante de sua primeira grande crise?

Eterno “outsider” junto ao parlamento, cercado de figuras caricatas e incompetentes, sem qualquer experiência de Executivo e visto na esfera internacional como um pateta, o presidente não encontra forças nem para conceder uma entrevista coletiva, que dirá para tomar as medidas enérgicas que possam dar rumo e autoridade a seu governo. Seus únicos amigos dignos de nota, no momento, parecem usar farda – e eles têm um general naquela que é, no momento, a posição mais estratégica da política brasileira: a vice-presidência da República. Quanto valerá a lealdade a Bolsonaro, caso a situação se torne insustentável?

Jair Bolsonaro sai desse 22 de janeiro de 2019 muito, muito pior do que entrou – e isso que ninguém poderá dizer que tudo estava bem antes do dia começar.

Claro que nada está gravado em pedra, ainda mais em um mandato que mal começou, e uma sequência de acontecimentos positivos pode ser suficiente para que o governo Bolsonaro consiga sair dessa encruzilhada. Mas será preciso uma tenacidade e uma habilidade política que nem Jair Bolsonaro, nem qualquer das pessoas decisivas em seu entorno parece ter. Mesmo Sergio Moro, principal fiador da credibilidade de Bolsonaro junto à opinião pública, mergulha em um silêncio que traz todas as notas de um mau presságio.

Renan Calheiros, a pessoa que melhor entende as intrincadas teias da política brasileira, teria dito que Bolsonaro começaria a fazer água com seis meses de governo. Parece incrível, mas, se ele falou mesmo tal coisa, enganou-se: a crise veio cinco meses e dez dias antes do imaginado.

Foto: Alan Santos/PR

Igor Natusch
Author

Jornalista e escritor. Tem especial interesse em Direitos Humanos, política e direitos fundamentais na internet. Liberdade para o ser humano, não para as instituições que o oprimem. Acredita que toda ação e posicionamento tem o poder de transformar o mundo.

Comentários no Facebook