Se alguém tinha dúvida de que Ana Amélia Lemos resolveu abraçar o discurso raivoso à direita como celeiro de votos, acredito que já deu para perceber que vai ser isso aí, mesmo. Depois de elogiar os que “levantaram o relho” contra a caravana de Lula (agredindo opositores e ameaçando jornalistas no processo), agora a senadora gaúcha achou por bem encorajar uma boataria grosseira e bobalhona, que enxergou na entrevista de Gleisi Hoffmann à rede Al-Jazeera, do Qatar, uma tentativa de convocar terroristas islâmicos para libertar o ex-presidente Lula.

Sim, é isso mesmo que você leu. Uma senadora da República atribuiu à entrevista concedida por outra senadora da República (a uma emissora mundialmente reconhecida, diga-se) o poder de violar a Lei de Segurança Nacional ao convocar “atos de hostilidade”, além de esperar que “essa convocação não seja um pedido para o exército islâmico atuar no Brasil”. Foi exatamente isso que aconteceu. Sei que é difícil acreditar, mas é verdade.

A coisa é tão insólita que chega a dar desânimo de sequer começar a contestar tamanha tolice. A própria Gleisi Hoffmann, ao defender-se da estultice, deixou claro um fato que, independente da simpatia que se nutra ou não pela petista, é notório: ela concedeu entrevistas semelhantes a emissoras de Portugal, França, Espanha e Reino Unido, entre outros países. Por que, então, é a entrevista para a rede árabe que Ana Amélia vê como “grave”? O que há nessa manifestação que não tenha ocorrido nas outras, capaz de despertar a indignação patriótica da senadora do RS?

Estamos todos autorizados a pensar que o que perturba Ana Amélia Lemos é o território onde a emissora está sediada e, em especial, o povo para o qual ela majoritariamente fala. É razoável imaginar, diante de tanto destempero e precipitação, que a integrante do PP tem mais medo de árabes do que de europeus ou seus descendentes, simplesmente porque, bem, são árabes. A menos, é claro, que a senadora deixe de lado o discurso apelativo e, com a compostura que sua posição de congressista exige, aponte de forma clara e serena onde, no fim das contas, sua colega de Casa colocou em risco a segurança nacional.

Se não é capaz de fazê-lo, então que volte ao microfones e ao Twitter, desta vez para pedir desculpas pela bobagem que falou.

O jogo que Ana Amélia Lemos joga é tentador, em especial porque é simples. Ao destilar intolerância e emprestar voz aos fantasmas mais distorcidos criados pelo ódio político, agrada a parcela mais embrutecida dos militantes de seu partido e do espectro direitista gaúcho como um todo. Além, é claro, de garantir manchetes (e comentários em colunas políticas, pois não) no momento em que a eleição se aproxima e todo holofote vale ouro. Em um cenário extremado, escolha seu extremo favorito e garanta alguns eleitores tão xucros quanto fiéis.

Tentador sim, e possivelmente eficiente. Mas arriscado também. Afinal de contas, o córner reacionário está cada vez mais lotado, e a tendência será sempre favorável a quem chegar primeiro. Verdade que a repulsa primal ao PT já elegeu muita gente no Rio Grande do Sul – ajudou, por exemplo, a eleger Lasier Martins, outro que anda flertando com o atraso e resolveu brincar de censor da arte degenerada recentemente. Mas sempre pode chegar o momento em que o eleitor se cansa do tiroteio e aposta em alguém que se venda como conciliador – algo, aliás, que a história política recente do RS também demonstra bem.

Foto: Pedro França / Agência Senado

Igor Natusch
Author

Jornalista e escritor. Tem especial interesse em Direitos Humanos, política e direitos fundamentais na internet. Liberdade para o ser humano, não para as instituições que o oprimem. Acredita que toda ação e posicionamento tem o poder de transformar o mundo.

Comentários no Facebook