Dinheiro em espécies – um retrato da criminalidade contra a fauna silvestre

No Brasil, a Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais, a RENCTAS, estima que há 38 milhões de animais silvestres retirados da fauna anualmente, sobretudo para sustentar um mercado de quase R$ 3 bilhões por ano. Nas estradas, trens e até empresas de transporte, um negócio baseado na crueldade se perpetua, com maus tratos e morte de aves, micos, cobras e outras espécies. Se por um lado a cadeia do crime enfrenta um combate cada vez mais articulado de órgãos de fiscalização e autuação, do outro, o estímulo à caça e apreensão ilegal também ganha força com redes organizadas em plataformas de mídia social, e amparadas em um discurso de facilitação do acesso às armas. Enquanto isso, polícias, Ministério Público, Ibama e Organizações da Soceidade Civil clamam por maior conscientização e maior rigor na punição dos criminosos.

 

Dinheiro em espécies: um retrato da criminalidade contra a fauna silvestre

Produção: Flávia Cunha, Geórgia Santos e Tércio Saccol
Roteiro e edição: Geórgia Santos e Tércio Saccol
Trilha sonora original: Gustavo Finkler 

Author

Jornalista, radialista, cientista política e uma viajante inveterada. Tem uma relação de amor com a comida. Gringa, não recusa um vinho e uma polenta. Fez da viagem um objetivo de vida. Lisboa é um dos seus lugares preferidos no mundo, embora as melhores histórias estejam na Itália.