Cá estamos nós em mais uma edição especial sobre o coronavírus. A questão é que, graças ao presidente da República, temos falado pouco do vírus e da doença em si. Em vez disso, estamos discutindo a maneira brilhante pela qual Jair Bolsonaro domina o debate público e desvia o foco das imensas falhas do governo federal na condução da crise. A começar pela troca do ministro da Saúde. Sai Henrique Mandetta, entra Nelson Teich, um médico respeitado, sem experiencia no serviço público e, obviamente, alinhado com as ideias do capitão.

Mas não basta a troca no ministério. No último domingo, dia 19, houve protestos pedindo não apenas o fim da quarentena, mas também uma intervenção militar, o fechamento do STF e o fechamento do Congresso. No Rio Grande do Sul, os machões agrediram mulheres e jornalistas. Bolsonaro participou de um dos atos e deu razão aos manifestantes.No dia seguinte, voltou atrás. Disse que não se pode falar em fechamento de Congresso e deu uma de rei sol em 2020 e disse que ele é a constituição.

.
E ele pode voltar atrás, porque Bolsonaro não enfrenta nem nunca enfrentou consequências pelo que diz ou faz
.

O que alguns insistem em chamar de flerte com autoritarismo já virou orgia e os chefes dos outros poderes se protegem com notas de repúdio. Wow. Portanto, diferente do resto do mundo, em vez de debatermos maneiras de frear a pandemia, estamos discutindo se existe a possibilidade de sofrermos um golpe militar ou não. Será que pode ficar pior?? Ou melhor, que tal invertemos a pauta na ideia do copo meio cheio e perguntar se pode ser uma oportunidade ficar menos pior?

Participam os jornalistas Geórgia Santos, Flavia Cunha, Igor Natusch e Tércio Saccol. Você também pode ouvir o episódio no SpotifyItunes e Castbox

Geórgia Santos
Author

Jornalista, radialista, cientista política e uma viajante inveterada. Tem uma relação de amor com a comida. Gringa, não recusa um vinho e uma polenta. Fez da viagem um objetivo de vida. Lisboa é um dos seus lugares preferidos no mundo, embora as melhores histórias estejam na Itália.

Comentários no Facebook