Mais de uma semana após o desaparecimento na Amazônia, começam a surgir pistas mais concretas sobre o paradeiro do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips.

Equipes de buscas encontraram vários pertences da dupla. Um notebook, cartão de saúde em nome de Bruno, calça preta de Bruno, par de botas de Dom, chinelo preto de Bruno, mochila de Dom.

Na segunda-feira, a esposa de Dom Phillips, Alessandra Sampaio, informou ao jornalista André Trigueiro, da Globonews, que os corpos de Bruno e Dom teriam sido encontrados, mas a Polícia Federal negou. Não houve essa confirmação, ainda. Uma pessoa está presa. Amarildo da Costa de Oliveira, conhecido como PeLado, foi avistado por ribeirinhos passando no rio logo atrás da embarcação de Bruno e Dom, no trajeto que os dois faziam entre a comunidade de São rafael até a cidade de Atalaia do Norte. A polícia encontrou vestígios de sangue na lancha usada por ele. Os familiares dizem que ele foi torturado pela polícia e que está sendo forçado a confessar o crime.

.

O governo federal demorou a reagir. O presidente Jair Bolsonaro disse que “isso acontece em qualquer lugar do mundo”, que “os dois sabiam do risco daquela região”

.

No episódio de hoje a gente explica que ISSO, que provavelmente aconteceu com Dom e Bruno, não acontece em qualquer do mundo. E tem acontecido cada vez mais no nosso lugar do mundo.

A apresentação é de Geórgia Santos. Particiapam Flávia Cunha, Igor Natusch e Tércio Saccol. Você também pode ouvir o episódio no SpotifyItunes e Castbox

 

Author

Jornalista, radialista, cientista política e uma viajante inveterada. Tem uma relação de amor com a comida. Gringa, não recusa um vinho e uma polenta. Fez da viagem um objetivo de vida. Lisboa é um dos seus lugares preferidos no mundo, embora as melhores histórias estejam na Itália.

Comentários no Facebook