A semana boliviana foi amplamente discutida pela imprensa brasileira. Depois de muita indecisão de alguns, parece que, finalmente, chegou-se à conclusão de que houve golpe militar contra Evo Morales. O singelo pedido do comandante das Forças Armadas para que o presidente renunciasse foi atendido mesmo depois de ele aceitar a realização de novas eleições diante das evidências de fraude no pleito anterior.

Evo Morales ficou acuado, não só politicamente. Teve de deixar o país se esgueirando entre espaços aéreos fechados até o México

A violência já vista nas ruas ganhou níveis cada vez maiores. Prisões injustificadas, ataques incendiários, agressões em praça pública marcaram o movimento que tinha como pretexto restabelecer a democracia da Bolívia. Um estranho grupo que mistura o extremismo militar com o fundamentalismo religioso (Rá!) tomou conta do poder. Uma senadora, Jeanine Áñez, reclamou para si a vaga da presidência e vestiu a faixa amparada pela Bíblia, pelos homens de farda e pela falta de quórum.

É bem verdade que Evo atropelou a regra do jogo ao forçar suas reeleições com manobras sobre manobras. O correto seria escolher um sucessor e deixar a decisão final nas mãos do povo. Mas não deixa de ser óbvio que não é (ou não deveria ser) a força militar a decidir como ou quem vai liderar a transição, da forma como está acontecendo, e pior: sem a certeza de que vai haver transição.

Tendo claro o que houve na Bolívia, vamos para fora dela

A América do Sul assumiu uma postura interessante nas relações exteriores. O tão temido aparelhamento ideológico de outrora com outrem agora dá as cartas da diplomacia no continente sem constrangimentos. Para substituir a comunista Unasul, tomada pelo Foro de São Paulo, inventou-se o Prosul, de Macri, Piñera, Bolsonaro e companhia. A nova organização, de tendência liberal-conservadora (com toques de olavismo), iria reunir os interesses dos países do continente. Mas até quando? Macri já está fazendo as malas da Casa Rosada e Piñera não sabe se termina sua estadia em La Moneda.

A negociação e a conciliação ficam em segundo plano, enquanto lideranças aproveitam as crises alheias para obter ganho político para a ideologia. Jeanine Áñez, a Guaidó boliviana, já foi reconhecida como presidente pelo Brasil de Bolsonaro. Certamente não será reconhecida pela Argentina de Fernández. Como fica?

As opiniões de governo assumiram o lugar de posições de estado. A Organização dos Estados Americanos, que deveria ser a voz da ponderação, cedeu aos gritos dos mais fortes, dizendo que não houve golpe senão os de Morales. Na reunião do grupo, Estados Unidos e Brasil apoiaram o resultado do golpe. Chile e Peru, comandados por líderes de centro-direita, ficaram constrangidos em endossar a clareza bolso-trumpiana. Já países com presidentes de esquerda ficaram a ver navios na Bolívia que não tem mar. Uruguai e México criticaram a inaceitável pressão militar.

Sem estados e movida pelos interesses de governos de plantão, a OEA poderia trocar de nome para OGA. A Organização dos Governos Americanos vige até segunda ordem (garantida, sempre que necessário, com a força dos quartéis).

Comentários no Facebook