Quando pensamos no consumo de plástico, é óbvio e automático pensarmos em produtos de limpeza, higiene e limpeza. Nas embalagens e composições. Mas você já parou para olhar quão cheia fica a lata do lixo seco depois de um supermercado? A alimentação padrão do brasileiro gera muito lixo e já passou da hora de mudar isso. O desafio do Julho Sem Plástico é um ótimo momento para dar início a essa mudança de hábitos. Então, vamos aproveitar o #plasticfreejuly para começar.

.

Cinco maneiras de deixar o plástico longe da comida

  1. Sacola reutilizável – essa a gente não cansa de repetir, nada de usar sacolas plásticas; 
  2. Cozinhe a própria comida – a tele-entrega é uma tentação para os dias de preguiça, eu sei. Não foi somente uma vez em que cedi a essa tentação. Mas vamos pensar na quantidade de embalagens na proporção com a quantidade de comida. Não precisa, né?
  3. Frequente a feira e/ou compre a granel – supermercados são cheios de produtos dos quais a gente não precisa. Mas a gente compra mesmo assim, porque estão na nossa cara. Frenquentar a feira – orgânica, de preferência – é uma ótima maneira de gastar menos, ter uma alimentação mais saudável e, claro, consumir menos plástico. O mesmo vale para mercados e armazéns que vendem a granel;
  4. Saquinhos de pano ou potes de vidro – não adianta comprar na feira ou a granel e utilizar saquinhos plásticos. Se não quiser deixar as compras soltas na sacola – reutilizável =) – basta levar saquinhos de pano, bem parecidos com aqueles que a gente usa para guardar sapato. Outra alternativa é utilizar potes de vidro para comprar grãos e coisas parecidas;
  5. Garrafa reutilizável – fique longe da garrafa PET.  Utilize uma garrafa de vidro ou inox para a água e fique longe dos refrigerantes. Vinho pode =)

Imagens: Pixabay

Geórgia Santos
Author

Jornalista, radialista, cientista política e uma viajante inveterada. Tem uma relação de amor com a comida. Gringa, não recusa um vinho e uma polenta. Fez da viagem um objetivo de vida. Lisboa é um dos seus lugares preferidos no mundo, embora as melhores histórias estejam na Itália.

Comentários no Facebook