Tava aqui em casa numa pose esdrúxula tentando alcançar bem o dente que tá nascendo na boca do meu filho para uma bela escovação quando pensei no tanto de coisas que tinha aprendido nos últimos sete anos em função de ser mãe. Nem tanto em coisas que aprendi, mas em talentos que fui obrigada a desenvolver. Fiquei com vontade de criar uma história em quadrinhos. Por enquanto, pensei nisso.

.

Super-Habilidades que adquirimos com a chegada dos  filhos

.

Contorcionismo – ao tentar escovar os dentes, trocar fraldas;

Velocidade – ao ver o filho em situação de perigo, como uma queda;

Virar o incrível Hulk – ao mexerem com o filho da gente;

Super audição – ouvir o choro ao longe no meio de várias crianças  e saber que aquele choro é o do filho;

.

Mandei para algumas super mães que conheço e elas contribuíram

.

Originalidade – ter certeza de que o que nossos filhos fazem nenhuma outra criança jamais fez. Mirna Spritzer, mãe da Laura;

Malabarista –  equilibrar filho, compras, e muito mais!!! Carina Moresco – mãe do Felipe, Pedro e Laura;

Motivacional – mesmo que tenha tido um dia péssimo, a carinha do filho te alegra. Ana Cláudia,  mãe do Dudu;

Habilidades artísticas –  cantar para acalmar choro, principalmente no carro, no uber. Ana Karla, mãe do Valentim

Disfarce – não tô chorando. Vika Schabbach, mãe da Isadora;

Sentidos hiper aguçados – paladar (nos transformamos nas melhores testadoras de alimentos ). Audição – reconhecemos a respiração dos nossos filhos e,  no reconhecimento, já temos o diagnóstico: alergia, gripe, resfriadinho comum. Tato – nada nos escapa, qualquer mudança na temperatura. Ou mesmo mínimas alterações na pele. Vanessa Balula, mãe da Dora;

Super vampira –  Quando não dormir a noite  passa a ser uma rotina e não uma escolha. Natalia Giacometti , mãe da Duda;

Premonição:  montar a mochila pra sair de casa com roupa de frio, de calor, outro par de meia, repelente. Carolina Hilário, mãe da Teresa e do Francisco;

Criadora de narrativas imaginárias, usando elementos do dia a dia, uma peneira, colher, panela viram cenários de histórias pra entreter quando tentamos cozinhar. Bárbara Fraga, mãe do Giuseppe;

Imunidade ao nojo: limpar cocô, pegar a comida que a criança estava comendo desistiu no meio enquanto está dirigindo… Ana Cláudia Milani, mãe do João Francisco;

É muito poder mesmo, né? Quando nasce uma criança, nasce uma mãe, isso é verdade. Os super poderes a gente adquire!

Raquel Grabauska
Author

Ela respira teatro. Atriz, diretora, produtora. Coordena o grupo Cuidado Que Mancha e o Espaço Cuidado Que Mancha. Péssima cozinheira, ótima de apetite. Já fez muitas coisas legais na vida, mas nada tão legal quanto o Benjamin e o Tom, os filhos. Por causa deles, pensa a maternidade meio que o tempo todo. Essa inquieta adora viajar e tem medo de galinha – menos no prato.

Comentários no Facebook