A vitória foi fantástica. A virada foi histórica. O Flamengo derrotou o River Plate por 2 x 1 , em Lima, conquistou a Copa Libertadores da América e mostrou uma garra que a gente só acreditava existir nos castelhanos. Mesmo que o Mister Jesus tenha trazido um algo mais do “além mar”, a conquista é muito mais brasileira do que postuguesa. E isso não é desmerecimento nenhum ao trabalho exemplar do treinador e sim um reconhecimento ao potencial que o futebol brasileiro tem e que nós não aceditamos mais.

Mesmo que o grupo flamenguista estivesse praticamente todo à disposição de Abel Braga, o time não encaixou. Jorge Jesus chegou no começo do Brasileiro sob forte desconfiança e ouviu muitas cornetas após a eliminação na Copa do Brasil para o Athletico.

.
Mas os mesmos que esquentaram a frigideira para fritar o bacalhau, precisaram apagar o fogão à medida que o treinador conseguiu implantar o seu estilo, definir um padrão e emplacar vitórias que levaram o Flamengo a fechar o ano com os títulos da Libertadores e do Brasileirão na mesma semana
.

Jesus atingiu um padrão de qualidade que há muito tempo não víamos num time brasileiro. Mesmo que Renato Portaluppi diga que o Flamengo só tenha atingido esse nível pelo investimento de mais de R$ 200 milhões, vale lembrar que outros clubes como Cruzeiro e, principalmente, o Palmeiras investiram pesado e nunca chegaram ao patamar do rubro-negro – cuja base está montada. Mesmo que a permanância de Gabigol ainda seja uma incógnita, nomes como Diego Alves, Rafinha, Filipe Luiz, Gérson, Éverton Ribeiro, Gérson, Arrascaeta e Bruno Henrique colocam uma qualidade que não enxergamos em outros times. E não se fala apenas em qualidade individual. Se fala em dedicação, entrega, inteligência e trabalho coletivo.

.

A Libertadores mostrou que o Flamengo é, além do melhor time da América, obviamente, que ele também é o melhor do Brasil

.

Uma superioridade que ficou evidente nos confrontos contra o Grêmio na semifinal. Mesmo que tanha restado alguma dúvida após o empate no primeiro jogo contra o tricolor na Arena, a goleada de 5 x 0 no Maracanã foi inconstestável e Renato Portaluppi precisou rever os seus conceitos.

O jogo contra o River Plate teve um Flamengo diferente. Marcelo Gallardo tirou o rubro-negro da sua zona de conforto e, mesmo com maior posse de bola, o jogo do Fla foi confuso e improdutivo. A objetividade só esteve presente a partir da entrada de Diego no lugar de Gérson. O time cresceu e o River cansou. Lucas Pratto perdeu a chance de liquidar o jogo e no final, Gabigol não perdoou. Empatou em cima da hora e virou quando os flamenguistas ainda agradeciam aos céus pela graça alcançada.

O Flamengo de Gabigol e Jorge Jesus chegou praticamente ao mesmo tamanho do Flamengo de Zico & Cia. Mas ainda falta o algo a mais. Que pode ser uma sequência de títulos tão grande quanto à conquistada nos anos de 1980 e 1990, ou simplesmente mais uma taça. Não uma qualquer. O que falta é o Mundial da Fifa. E a resposta pode vir já no próximo mês quando o rubro-negro, caso não ocorra nenhum tropeço, encarará o Liverpool de Klopp. Para muitos poderá ser a reafirmação do futebol brasileiro. E para outros, mais descrentes, um novo milagre de Jesus.

Foto original: Daniel Apuy/Getty Images

Comentários no Facebook