Como toda temática – de Neymar à intervenção federal no Rio de Janeiro – uma grande polarização tomou redes sociais, fóruns mais e menos qualificados e alguns diálogos na última semana, quando foi divulgada a alta de 1% do Produto Interno Bruto, o PIB.

.

E a lógica média dessas discussões, só para variar, resvalou em análises desprovidas de sentido, percepções enviesadas e um esforço enorme para desqualificar ou catapultar a relevância desse número

.

Importante citar o contexto desse crescimento: 1% após uma recessão histórica, que alavancou o desemprego, fragilizou a indústria e abriu um campo de ação para reformas que, vestidas com a armadura da urgência, atropelaram discussões e consultas públicas.

Ministério da Agricultura/Divulgação

“Ah, mas no governo Dilma, quando cresceu 1%, o destaque foi negativo”, diz o fórum alinhado a ex-presidente derrubada em um processo de cunho político. É verdade. Mas também é verdade que, despida a nossa inocência para entender de onde vêm as fontes de informação, que um crescimento de 1 após um crescimento de 2 é diferente de um crescimento de 1 após uma queda.

“Mas então, você está defendendo…” Não. Não se trata de um respaldo a euforia de Henrique Meirelles, o possível candidato insípido de um governo marcado por rejeição massiva e coleções invejáveis de casos de corrupção. É importante lembrar que o crescimento dessa medida dos bens e serviços está ancorado em um desempenho extraordinário do setor agrícola, especialmente o milho e a soja.

Não menos importante destacar que uma das medidas para injeção de fôlego no poder de compra, a liberação do saque do FGTS, não poderá se repetir em 2018, e que o crescimento de consumo das famílias, também festejado, tem algum respaldo nessa medida.

Aliás, propõe-se perceber que o quarto trimestre de 2017 teve virtual estagnação da economia e que houve nova queda de investimentos, motor para reativação econômica. Soma-se a essa discussão inúmeras pesquisas recentes, como a Pesquisa Desigualdade Mundial 2018, de Thomas Piketty, o fato de que a concentração de renda está em processo de ascensão ou manutenção, mostrando que esse crescimento não está incidindo de forma direta na distribuição.

.

Há ainda quem associe a sustentação desse incremento a reformas e mudanças estruturais, embora essa discussão não mereça ser tratada de forma tão efêmera – como foi a trabalhista, decidida em meia dúzia de gabinetes em alguns meses

.

Mas esse PIB

E aí? E aí que é óbvio que ninguém está pedindo uma análise dissociada da economia política, mas não dissociada do bom senso. Claro, como defende Thomas Straubhaar, o PIB já não deveria ser a única métrica de geração de valor, já que não consegue mensurar com precisão dados digitais e economia compartilhada.

Acrescenta-se aí que ainda é bastante difícil dizer qual a base – se há uma – para confirmação ou não da continuidade do crescimento e da diminuição do desemprego. Mesmo assim, o dado não é desprezível (nem passível de celebração).

Reprodução

Quanto às manchetes? Aí que não há simplificação capaz de sintetizar a complexidade de um contexto econômico, e como tal, é ainda mais difícil traduzir isso em uma manchete, que aliás, já deve ser vista como parte de um contexto maior.

Há, dependendo dos elementos usados e da ótica do recorte, possibilidade de múltiplas perspectivas sobre o dado apresentado. Provavelmente, ainda é muito cedo para garantir alguma celebração, especialmente por um governo com graves problemas de legitimidade, mas antes tarde do que mais tarde para voltar ao patamar de 2011 na economia, o que se atingiu com o famigerado 1%.  

Tércio Saccol
Author

Jornalista e mestre em Comunicação pela Famecos. Fez especializações em gestão de marketing e em Economia Brasileira e Globalização. Colorado fervoroso, contraria toda a normalidade do ser humanos ao ser um apaixonado por economia.

Comentários no Facebook