O tapete vermelho será diferente neste domingo (7). As atrizes de Hollywood prometem usar preto na cerimônia do Globo de Ouro, em Los Angeles. A ação ocorre em solidariedade ao movimento #metoo, que denuncia o assédio e abuso sexual na indústria cinematográfica. A campanha foi lançada após as inúmeras denúncias contra o produtor Harvey Weinstein e outros poderosos do ramo como uma forma de levante, de desabafo.

A cerimônia é basicamente um open bar, o que promove uma atmosfera bastante diferente do Oscar, mais informal e descontraída. O que não impediu, porém, que o Globo de Ouro fosse palco de resistência ao longo dos anos. De política. Às vezes em tom jocoso, às vezes despretensiosamente, às vezes com a seriedade que o próprio tema carregava, às vezes em forma de afirmação. Ou seja, não é a primeira vez em que a premiação servirá de palanque para uma causa.

.

Listamos sete momentos em que o Globo de Ouro foi palco de protestos – ou de coragem

.

1. Tina Fey e Amy Poehler cutucando o machismo em 2014

As duas são hilárias e já proporcionaram momentos memoráveis ao apresentar o Globo de Ouro em mais de uma ocasião. Mas muito antes de o movimento feminista ressurgir como no ano em que passou, Tina Fey e Amy Poehler alfinetaram a indústria cinematográfica e os padrões absurdos estabelecidos como ideal de beleza feminina com uma piadinha. Ao falar do emagrecimento de Mathew McConaghey para o papel em Clube de Compras Dallas, as duas dispararam: “Ele perdeu 20 quilos, o que uma atriz chama de estar em um filme” – “He lost 45 pounds, or what actresses call being on a movie”.

.

2. O discurso de Meryl Streep em 2017

A atriz foi homenageada com o prêmio Cecil B. DeMille, pelo conjunto da obra, e aproveitou o momento para desabafar. Com pelo menos metade do país ainda atordoada com a eleição de Donald Trump, Meryl Streep fez um discurso impactante, pedindo empatia aos estrangeiros – aproveitando, inclusive, o fato de que o Globo de Ouro é organizado pela Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood.
“Este instinto de humilhar, quando feito por alguém em uma plataforma pública, afeta a vida de todo mundo, porque dá permissão para outros fazerem o mesmo. Desrespeito convida desrespeito, violência incita violência. Quando os poderosos usam de suas posições para praticar bullying contra os outros, todos nós perdemos”, disse.

.

3. Globo de Ouro cancelado em função da greve dos roteiristas em 2008

A premiação foi palco de protesto até mesmo quando não aconteceu. Em 2008, a cerimônia foi cancelada em função da greve dos roteiristas de Hollywood, que ameaçava um tapete vermelho vazio. Os vencedores foram anunciados em uma coletiva de imprensa.

.

4. Tina Fey e os haters em 2009

De novo a frente do seu tempo, Tina Fey aproveitou o momento em que recebeu o prêmio de melhor atriz em série de comédia por 30 Rock para falar dos haters nas redes sociais. Ela lembrou que se alguém estiver em risco de se sentir muito bem consigo mesmo, basta acessar a internet. E ainda citou nominalmente um hater de estimação.

.

5. Jodie Foster (praticamente) assumindo a homossexualidade em 2013

Conhecida por manter a vida privada, bem, privada, a atriz surpreendeu a todos quando recebeu o prêmio Cecil B. Demille em 2013. Durante o discurso, ela disse: “Eu acho que tenho essa necessidade súbita de dizer algo que eu nunca fui capaz de divulgar em público. Mas eu vou simplesmente falar, certo? Alto e com orgulho, certo? Então eu vou precisar do seu apoio nisso. Eu sou solteira.”

.

6. Tracy Morgan e a América pós-racial em 2009

Quando 30 Rock venceu o prêmio de melhor série de comédia, o ator Tracy Morgan tirou a estatueta das mãos da criadora do programa e disse: Tina Fey e eu fizemos um acordo. Se Barack Obama vencesse as eleições, eu falaria em nome da série de agora em diante. Bem-vindos à América pós-racial. Eu sou a face da América pós-racial. Lide com isso, Cate Blanchett!”

.

7. Oliver Stone protesta contra a política anti-drogas em 1979

No discurso de agradecimento pelo prêmio de melhor roteiro pelo filme Expresso da Meia Noite, Oliver Stone fez um protesto contra a política anti-drogas em vigor nos Estados Unidos. Foi justamente naquele período em que começou o encarceramento em massa da população negra norte-americana, muito bem abordado pelo documentário 13 Emenda. Ele foi retirado a força do palco e nós não conseguimos encontrar imagens do momento. Há, porém, a declaração de quando ele ganha o Oscar no mesmo ano e mostra “consideração a todos os homens e mulheres, em todo o mundo, que estão na prisão nesta noite.”

Fotos: Getty Images

Author

Jornalista, radialista, cientista política e uma viajante inveterada. Tem uma relação de amor com a comida. Gringa, não recusa um vinho e uma polenta. Fez da viagem um objetivo de vida. Lisboa é um dos seus lugares preferidos no mundo, embora as melhores histórias estejam na Itália.