Essa foto me choca. Parece impossível que alguém seja capaz de dizer isso, quanto mais escrever com tinta em pedra. Não é algo que se apague com água e sabão, nem do muro nem da memória de quem ouve e de quem diz. Ainda assim, foi dito e escrito no período que sucedeu a morte de Eva Perón, em 1952, então primeira-dama da Argentina.

Fui lembrada desse episódio na semana passada, enquanto visitava o Cemitério da Recoleta, em Buenos Aires,  onde Evita descansa não em paz. À época, os inimigos políticos do General Juan Domingo Perón picharam uma parede com a frase “Viva el cancer”, celebrando a morte da chamada líder espiritual da argentina e heroína dos descamisados.

.

Celebrar a morte de alguém que faleceu vítima de uma doença devastadora
Vibrar diante de tragédias pessoais
Alegrar-se com a miséria de adversários
Já viu algo parecido? 

.

As pessoas gostam de acreditar que suas tragédias são exclusivas. Só acontece comigo, gostamos de dizer. Mas não. Tragédias são universais, assim como a maldade se encontra em qualquer lugar. As pessoas gostam de acreditar que suas tragédias são fruto de seu tempo. Antigamente não era assim, gostamos de dizer. Mas não. Tragédias são atemporais, assim como a mesquinhez se encontra em qualquer momento.

Nós éramos assim antes, em 1952, e somos assim agora, em 2018

No Brasil, a morte da ex-primeira dama Marisa Letícia, esposa de Lula, também foi celebrada. Também já ouvi muitas pessoas desejarem, com fervor, a morte do ex-presidente. Assim como se encontra em qualquer esquina de Twitter as diversas celebrações pelo assassinato de Marielle Franco, que, segundo alguns, mereceu o seu destino. Em 2015, na ocasião do processo de Impeachment, Jair Bolsonaro disse em alto e bom som que Dilma Rousseff deveria sair de qualquer jeito, nem que fosse “infartada; com câncer”. Em um comício no Acre, o candidato do PSL ainda falou em “fuzilar a petralhada”.  No início do ano, a senadora Ana Amelia Lemos (PP) parabenizou os gaúchos que “deram de relho” nos petistas. Na semana passada, após Bolsonaro levar uma facada durante atividade de campanha, houve quem dissesse que foi pouco, que foi bem feito. E esses foram apenas os exemplos mais recentes aos quais minha memória se apegou.

E assim, com o passar do tempo e em qualquer espaço, em nome da política, vamos deixando nossa humanidade pelo caminho e normalizando a barbárie. 

Geórgia Santos
Author

Jornalista, radialista, cientista política e uma viajante inveterada. Tem uma relação de amor com a comida. Gringa, não recusa um vinho e uma polenta. Fez da viagem um objetivo de vida. Lisboa é um dos seus lugares preferidos no mundo, embora as melhores histórias estejam na Itália.

Comentários no Facebook